UTI - Cuidado humanizado do paciente crítico.

sexta-feira, julho 31, 2009

Nova Ortografia Médica


TERMOS MÉDICOS E AS NOVAS REGRAS ORTOGRÁFICAS / MEDICAL TERMS AND THE NEW RULES ON PORTUGUESE LANGUAGE SPELLING

Em 30 de setembro de 2008 entrou em vigor o Decreto 6.583/08, assinado pelo Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, promulgando o Acordo Ortográfico estabelecido entre os países de língua portuguesa (Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe).

O Acordo só produziu efeitos a partir de 1º de janeiro de 2009, havendo um período de transição entre 1º de janeiro de 2009 e 31 de dezembro de 2012.

AS NOVAS REGRAS E EXEMPLOS DE TERMOS MÉDICOS:

1- Ditongos abertos ("ei, oi") não são mais acentuados em palavras paroxítonas: cefaleia, diarreia, otorreia, paranoico, paranoia.

2- O hiato "oo" não é mais acentuado: enjoo.

3- Não existe mais o trema em língua portuguesa: apenas em casos de nomes próprios e seus derivados, por exemplo: Müller, mülleriano.

4- O hífen não é mais utilizado em palavras formadas de prefixos (ou falsos prefixos) terminados em vogal + palavras iniciadas por "r" ou "s", sendo que essas devem ser dobradas: antissepsia, antisséptico, antirrugas, extrassístole, ultrassonografia, suprarrenal.

5- O hífen não é mais utilizado em palavras formadas de prefixos (ou falsos prefixos) terminados em vogal + palavras iniciadas por outra vogal: autoanticorpo, autoinfecção, autointoxicação, contraindicação, intraocular, intrauterino, , supraocular. ATENÇÃO: Exceto quando a palavra seguinte iniciar por "h": auto-hemoterapia, anti-higiênico.

6- Utiliza-se hífen quando a palavra é formada por um prefixo (ou falso prefixo) terminado em vogal + palavra iniciada pela mesma vogal; ou prefixo terminado em consoante + palavra iniciada pela mesma consoante: anti-inflamatório, extra-articular, intra-articular, micro-organismo, hiper-reflexia.

7- O uso do hífen permanece em palavras compostas que não contêm elemento de ligação e constiui unidade sintagmática e semântica, mantendo o acento próprio, bem como naquelas que designam espécies botânicas e zoológicas: médico-cirurgião, conta-gotas, anátomo-patológico

8- O uso do hífen permanece em palavras formadas por prefixos "circum" e "pan" + palavras iniciadas em vogal, "m" ou "n": pan-oftalmia, pan-osteíte, pan-mielopatia.

9- O uso do hífen permanece em palavras formadas com prefixos "pré", "pró" e "pós" + palavras que tem significado próprio: pré-anestésico, pré-clínico, pré-coma, pré-crítico, pré-diabetes, pré-eclâmpsia, pré-frontal, pré-ganglionar, pré-hipófise, pré-ictal, pré-medicação, pré-menstrual, pré-natal, pré-operatório, pré-pilórico, pré-senil, pós-graduação, pós-operatório, pós-parto, pós-prandial. ATENÇÃO: precórdio, precordial, precordialgia.

10- O uso do hífen permanece em palavras formadas pelas palavras "além", "aquém", "recém", "sem": recém-nascido, recém-admitido.

Alguns exemplos:

ANTI-INFLAMATÓRIO
ANTISSÉPTICO
AUTOANTICORPO
AUTOINTOXICAÇÃO
CEFALEIA
CONTRAINDICAÇÃO
DIARREIA
EXTRA-ARTICULAR
HIPER-REFLEXIA
MICRO-ORGANISMO
PARANOIA
PRÉ-ANESTÉSICO
PÓS-GRADUAÇÃO
SUPRARRENAL
ULTRASSONOGRAFIA

Fonte: Blog História da Medicina by Dr. Elvio Armando Tuoto

2 comentários:

Ana disse...

Parabéns pela iniciativa, tão útil em nosso dia a dia (agora sem hifem :)!

Fiquei apenas com a dúvida: meia vida e duplo cego têm hifem ou não?

Um abraço,
Ana

mimc disse...

Pessoal, achei essas regrinhas praticas, link = http://migre.me/8JQm